Ceron da o start.

Prefeito eleito , Antônio Ceron, está neste momento divulgando os primeiros nomes de seu secretariado. Pretende reduzir

Clayton Bortoluzzi

secretarias , máximo de 14, e comissionados.” Medidas amargas, não, mas necessárias”, falou Ceron. Os cinco nomes são: Âgnelo Miranda, procurador, Odila Waldrich na saúde, Valdirene da Silva Vieira na Educação, Jurandi Agustini na Semasa, Antônio Arruda Finanças e Administração, e Clayton Bortoluzzi na Infraestrutura.

Inter: a boa e a ruim.

O Inter de Lages que deve disputar o Campeonato Catarinense, que começa no final de janeiro, recebeu nesta semana uma notícia boa e outra ruim. A boa: acertou o patrocínio com a Orbenk para mais uma temporada. A ruim: Marcelinho Paraíba entrou na justiça pedindo o fim do vínculo com o Inter, alegando salários atrasados.

PSDB continua dividido.

O PSDB de Lages continua dividido em duas alas, mesmo após a eleição. A ala antiga (Pinheiro/Monarim) realizou uma reunião ontem com alguns integrantes, e a ala nova (Roberto Amaral), alega que quem foi, foi iludido pois o convite teria sido para uma confraternização. Depois de muitos anos sem representantes no legislativo, o partido passa a contar com um vereador em 2017, mas parece que as divergências internas, superam o entendimento.

Reforço na segurança.

A Polícia Militar de Santa Catarina (PM-SC) divulgou a lista de distribuição dos 695 policiais militares que vão se formar na próxima semana. Segundo a corporação, os critérios adotados para definir a divisão foram os índices de criminalidade e de efetivo por número de habitantes. A cidade de Lages passa a contar com 20 novos policiais militares.

Falta água.

Moradores dos bairros São Francisco e São Paulo, estão reclamando da falta de água que acontece diariamente, no final da tarde. Reclamaram para a Semasa e nada, nada. Como a Secretaria fala que não tem falta de água na cidade, os moradores desafiam ao secretário para dar uma passada por lá. 

Dialogando com chavões.

1. Chavão 1: “O Brasil é o país do futuro”. Talvez seja. Talvez seja o país de 2115 ou 2245. Quiçá o Brasil seja o país do futuro dele mesmo, não do mundo. A cada dez passos brazucas, a gente volta doze.Chico Buarque acertou em cheio no seu “Fado Tropical”.Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal:
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal.

2. Chavão 2: “O Brasil não é um país sério”. A autoria dessa frase, na internet, é mais disputada do que concurso de Miss na Venezuela. Há quem diga que foi Winston Churchill, François Miterrand, Dwight Eisenhower, há quem diga que foi Mané Garricha ou Elke Maravilha (provavelmente confundindo com Dwight Eisenhower). Já que estamos no mundo dos chavões, chavonemos: quando o falem mal, mas falem de mim, se prolifera desta forma globalizada, só nos resta rir ou disfarçar de soslaio.

3. Chavão 3: “O Brasil não é para amadores”. A autoria desta frase também é muito controversa. Mas aí eu voltaria ao tema do item 2 e a coisa ficaria enfadonha. Mas, vejam: existe uma verdade filosófica profunda na frase. Não estou falando de políticos, prefeitos, assessores parlamentares, diretores de estatais, nada disso. O profissionalismo dos corruptos brasileiros é tema batido e cansado. O Brasil exige profissionalismo e, acima de tudo, malandragem, também dos honestos. No Brasil, se um Ministro se recusa a fazer uma pilantragem no Iphan e liberar um condomínio em Salvador, está se promovendo politicamente, está de olho em 2018. É vaidoso. Tem um juizinho em Curitiba levando a mesma avaliação. No Brasil, quem tenta ser honesto está de malandragem. Por aqui, definitivamente, não dá pra ser amador.

Essa é a essência fundamental do brasileiro. O brasileiro é o maior desconfiado do mundo. Experimente viajar ao exterior e conversar com qualquer turista. As frase mais ouvidas são: “Aquele hotel servia lagosta, mas tenho certeza que era lagostim”. Tente auscultar, como eu, qualquer mulher turista brazuca num aeroporto. O assunto é sempre o mesmo: “Você viu esse free shop? Dizem que tem desconto… Em Miami era muito mais barato!” . Todo o mundo está sempre tentando nos dar um golpe. Sorte pra nós, brasileiros.Somos todos malandros profissionais.

4. Chavão 4: “O Brasil é o único país onde tem lei que ‘pega’ e lei que não ‘pega'”.Tenho um amigo muito querido que sempre fazia essa piada interna. (Devo observar: o amigo em questão mudou-se do Brasil possivelmente dando uma banana à Reginaldo Farias naquela novela da Globo). Ele dizia, inflamado: “Como assim tem lei que pega e lei que não pega, porra? É lei, putz”. Pois é. Vivemos num país em que a lei é uma coisa assim meio quando eu estou a fim. O presidente do Senado hoje decidiu não estar a fim de cumprir uma ordem do Supremo Tribunal Federal. Tipo, beleza, não cumpri, pqp, vamos ver no que dá. Esse amigo e essa situação são a inspiração principal de um personagem anarquista, grávido em mim. Espero um dia torná-lo vivo num livro. Os céticos lhe perguntam, “mas, como assim, você é anarquista? Você acha que sobreviveríamos sem Estado?”. E ele responde, fleumático: “Qual seria a diferença entre isso e o que vivemos hoje?”                                                                                                                                                          5. Chavão 5: “A esperança é a única que morre” : Esta é minha única esperança no mundo. A possibilidade de ser irônico, politicamente incorreto e livre para falar bobagens a fio como nesta postagem. (Iatã Lessa).