Já temos candidatos

Gelson Merisio com Kleinubing de vice e Amin e Colombo ao Senado foi a coligação feita pelo PSD/DEM/PP mais onze partidos. Mauro Mariani com Napoleão de vice e Paulo Bauer e Jorginho Mello ao Senado é a coligação do MDB/PSDB/PR. O PT vai de Décio Lima. Quem dançou nesta composição foi Carmen Zanotto que era vice de Mariani e foi trocada no apagar das luzes.

Desclassificado e recalcado

Vereador Jair Jr. que foi eleito com o dinheiro e apoio do PSD, mas que critica seu próprio partido, vem agora atacar o PP. Como ilustre desconhecido, vereador que até agora não justificou o belo salário que recebe como edil, não tem moral para criticar quem quer que seja. Apelidado de menino maluquinho, talibã, etc, é apenas um menino mimado, sendo defendido pelo pai no ataque a jornalistas e pessoas que critica ou na tribuna ou nos microfones de rádios. Não explicou até agora os salários a mais em sua folha, quando funcionário da Assembléia Legislativa, nem o auxílio na campanha do DCE/UNIPLAC, nem seu funcionário trabalhando em dois locais ao mesmo tempo. Criticou o legado dos JASC, mas coordenou os Jogos Universitários, com a ajuda da Prefa. Suas denúncias, dedo duro é sua especialidade, batem sempre na trave. A mais recente foi a CPI do Brilho de Natal, um verdadeiro tiro no pé. É o novo do velho.

Sobrando candidatos

Pelo número de candidatos a deputado estadual e federal aqui em Lages, tem gente apostando que alguns não fazem o peso em votos. Alguns ilustres desconhecidos mas que roubam votos de quem tem estrutura eleitoral para se eleger. Alguns com certeza não se elegem nem para vereador. Acho interessante que a Acil ou CDL, ou ambas as entidades, se reunissem e lançassem a campanha lageano vota em lageano e que intimassem os partidos a rever os nomes até agora lançados. Se continuar o número excessivo não vamos eleger stadual ou federal. Até agora são dez os candidatos a Estadual divididos por 100 mil votos, não vai ninguém.

Os Mesmos

Há sete eleições, a composição do Congresso Nacional sempre muda praticamente pela metade. O restante de vagas fica por conta de figurinhas carimbadas que conseguem se reeleger.                                                                                                                                   Da última vez, 2014, os brasileiros elegeram o parlamento mais conservador desde a ditadura, com o maior número de representantes ligados a bancada militar, religiosa, e ruralista, por exemplo. E a expectativa, nestas eleições, é de que 90% dos atuais deputados federais tentem a reeleição, contra 75%, nas últimas eleições.                                                                                                                          Para os analistas, pelo menos 90% dos atuais deputados vão disputar às eleições. E os 10% que vão desistir ou concorrer a outros cargos serão substituídos majoritariamente por parentes, seja esposa ou marido, filho, pai, mãe, etc. De modo que há tendência também de crescimento da bancada de parente.                                                                                                                                                               Com tanta investigação, muito político vai tentar se reeleger pra não perder o foro. Além disso, o tempo de campanha está bem menor, caiu de 90 para 45 dias – menos tempo de vitrine para os novatos na política. 

Definições

O Partido Progressista realizou sua convenção sábado e confirmou Amin governador com Kleinubing do DEM de vice, deixando a ata aberta podendo negociar parceria até o dia 5. Já o PSDB realizou sua convenção escolhendo Paulo Bauer governador e Napoleão Bernardes senador. Com Merisio escolhido governador pelo PSD com Colombo ao Senado, fica apenas o PMDB de confirmar o nome de Mauro Mariani no próximo sábado. Semana de intensas conversas. Se permanecer este quadro, o PMDB espera o adversário para o segundo turno.

Centrão

Líderes do grupo conhecido como “Centrão” anunciaram nesta quinta-feira (26) o apoio à pré-candidatura do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República. Autointitulado “Centro Democrático”, o grupo é formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade, que agora terão de oficializar o apoio nas convenções partidárias.