A desconstrução da ética jornalística

Olivete Salmoria há tempos circula pelas mídias da cidade. Sua formação acadêmica lhe permite transitar com  certa desenvoltura em seu blog, coluna impressa, bem como lecionar ética em curso de jornalismo.                                                       O que espanta é o uso que faz de seu ofício que não raro é usado para, sem o menor pudor, atacar veementemente ações daqueles que não lhe trazem benefícios, ou seja, sem favorecimento não existe mérito algum que possa ser observado e muito menos enaltecido, quiça incentivado.                                                                                                                                           É o que se constata a tudo que se refere a atual administração. Não há o que se faça que contente Olivete.                                                                                                                                                                                                                                Porém, quando se tratava da administração anterior, quando a jornalista era remunerada pela mesma, os elogios e possíveis feitos imagináveis e até mesmo inimagináveis eram constantemente emplacados e estampados nos veículos que a mesma tinha domínio. Enaltecimentos e aplausos esfuziantes eram incessantes. Ora, fácil chegar a tal conclusão , afinal a amizade estreita com a Executiva de Comunicação da época e a Presidente da SAMT, renderiam uma parceria que, infelizmente,  quando falta ética  e bom senso dão chances para a imprensa marrom.                                                                                                                                                                     Lastimável uma profissional que poderia contribuir de maneira imparcial , isenta,  com o desenvolvimento de nossa cidade, ser como já não pode mais esconder, comprovadamente considerada um instrumento de retrocesso de progresso cultural e social, disseminando uma formação errônea de opinião baseada em interesse próprio.

Um Pink Floyd no Brasil

Roger Waters, um dos fundadores do Pink Floyd, passa com sua Us+Them Tour por Brasília, dia 13/10; Belo Horizonte, 21/10; Curitiba, 27; e Porto Alegre, dia 30/10.  Em São Paulo os shows serão 9/10 de Outubro. Os shows, uma experiência audiovisual absurda, vai mesclar suas músicas solo com clássicos da banda que foi a expoente do rock progressivo mundial.

Em setembro agora, ações visuais urbanas chamarão a atenção em algumas cidades brasileiras para a passagem da turnê de Roger Waters no Brasil. A t4f ainda não divulgou o seu conteúdo. Desde os anos 70, o Pink Floyd usou porcos gigantes infláveis para bombar suas performances, tradição que continuou na carreira solo de Waters.

O músico é conhecido também por seu ativismo em várias frentes. Suas últimas ações em prol de causas já fez Waters bater de frente com políticas do presidente americano Donald Trump e abraçar causas palestinas na eterna briga com Israel.

 

Teodora

A artista e escritora Helena Maines estará lançando hoje, seu quarto livro,  “Teodora”. O lançamento ocorre  hoje a partir das 17h30, no restaurante La Central, que fica anexo ao Hotel Lages. A obra  encerra a trilogia  de histórias de mulheres.