Querem Festa

Três partidos — PT, PSB e PSOL — ajuizaram nesta quarta-feira uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a proibição de apresentação de artistas em atos de campanha, os showmícios. O advogado responsável pelo processo, Daniel Sarmento, pediu que o ministro Luiz Fux, relator da causa, julgue monocraticamente o caso.                                                          Líder do PSOL na Câmara dos Deputados, Chico Alencar crê que a alteração na regra pode ajudar a combater o desencanto da população com a política. O partido, sobretudo no Rio, têm forte penetração na classe artística. Porém, o deputado afirma que contestar a proibição não tem como objetivo um benefício eleitoral.
A proibição de apresentações artísticas em atos de campanha passou a valer em 2006, em lei sancionada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O texto diz que é proibida “a realização de showmício de evento assemelhado para a promoção de candidatos, bem como a apresentação, remunerada ou não, de artistas com finalidade de animar comício e reunião eleitoral”. O mesmo artigo também veda a distribuição de brindes para eleitores e a colocação de outdoors.

Quase lá

Correntes do PSD e do PP torcem pela coligação, com Amin e Merisio numa chapa ao governo. Os Progressistas de Santa Catarina se reuniram em Criciúma neste sábado para o primeiro lançamento regional de Esperidião Amin como pré-candidato do partido ao governo do estado.

O fato positivo do encontro  foi a presença de Gelson Merísio, que é o nome do PSD e teve direito Inclusive a discurso. O ponto que chama atenção nesse momento é que Amin disparou na pesquisa desta semana, o que poderia resultar num casamento entre PP e PSD, pois o deputado Merísio que saiu cedo, foi exaltado por todos os  progressistas que discursaram.

Pinho ataca Colombo

Colombo e Amin juntos mais uma vez

Se existia dúvida de que Pinho Moreira (MDB) e Raimundo Colombo (PSD), estariam em palanques diferentes na eleição deste ano agora não tem mais. Depois da tratorada que Pinho Moreira deu na ADR de Lages, demitindo todos os assessores ligados à Colombo, com exceção do Secretário João Alberto, que agora fica na obrigação de pedir sua demissão, o clima amistoso entre o ex e o atual governador não deverá mais ser o mesmo.                                                                          Pinho rompe um acordo amigável de parceria e obriga Colombo a ir para a oposição nestes seis meses que restam para o fim da atual administração. Pinho vai adotar mais do que nunca a tese que assumiu o Estado em condições não favoráveis, e em contrapartida a base aliada PSD/PP/PSB na Assembléia vai dar o troco.                                                                                                                                       A Raimundo Colombo não resta outra alternativa, deve se integrar de cabeça e corpo no projeto de seu partido que tem Gelson Merísio como pré-candidato e torcer para que um Amin esteja na chapa majoritária.

Sem Candidato

Executiva Estadual do MDB transferiu para o dia 18 de junho a definição do candidato do partido ao governo. Alguns deputados e prefeitos defendem a candidatura de Pinho Moreira ao governo e de Mauro Mariani ao Senado. Quem quer ser candidato ao Senado também é o ex governador Paulo Afonso e o deputado Valdir Colatto.