Processo de Cassação

Tudo começou com uma  denúncia do secretário Mario Hoeller de Sousa contra o vereador Jair Júnior (PSD), acusando-o de quebra de decoro. Isso decorrente do conteúdo do relatório final da CPI da Infelicidade. Conforme o rito, o vereador deveria apresentar defesa e, após essa peça ser analisada, o assunto ter o rito sequencial. Nesta segunda-feira, 02, Jair Júnior apresentou a defesa . Em seguida  o presidente Luiz Marin (PP), leu o documento, a denúncia foi lida em plenário.                                                                                                                                                   O vereador Jair chegou a levar alguns simpatizantes para o plenário, para apoiá-lo, mas ao perceber a celeridade do processo chegou a chorar. Ao usar a tribuna afirmou: ” Eu não dependo da política para viver”.                                                  Como o processo de cassação é um processo político, só os adversários que o vereador arrumou no plenário seriam suficientes para lhe tirar o restante do mandato. 

VAI TRAMITAR

O presidente da Câmara de Vereadores de Lages , Luiz Marin (PP), disse que a casa recebeu o pedido de cassação  do vereador Jair Junior (PSD), feito pelo secretário Mario Hoeller de Souza e, na sessão de ontem, foi dado o prazo de cinco dias para que o vereador Jair Júnior faça a sua defesa. Feito isso, a defesa será lida em plenário e definido um vereador para fazer a relatoria do caso.                                                                                       O presidente Luiz  Marin diz que a lei é igual para todos e seguirá os ritos da casa.       

Luiz Marin 

Entenda o caso: Tão logo foi incluído no relatório da CPI do Natal da Infelicidade por peculato culposo (omissão de fiscalização em área sob sua responsabilidade), o secretário Marião solicitou um pente fino na interpretação do relatório. Disse que encontrou pelo menos 20 vícios na investigação feita pelos vereadores. Inclusive solicitou à Câmara que o relatório retornasse para ser concluído de forma diferente .

Marião quer cassar vereador.

Secretário Mario H. Souza, que já foi vereador, está pedindo a cassação do vereador Jair JR (PSD), pelo resultado do relatório final da chamada CPI do Natal Infelicidade. Segundo o secretário:“Fui chamado como testemunha e acabei arrolado, sem qualquer oportunidade de manifestação em defesa. Não é assim que funciona”, explica. Segundo Marião, profissionais da área jurídica analisaram o relatório e foram apontados pelo menos 20 vícios na CPI. “Conteúdos absolutamente irregulares que contrariam as normas”, confirma o secretário.                                                          Marião afirma ainda: “No relatório está citado que o Belezinha (Agessander de Souza) estava no Paraná em determinado dia. Mas printamos mensagens do vereador em diálogo com o próprio Belezinha, que coordenava reunião nesse dia em Lages, onde discutiam a hipótese do Jair Júnior se filiar no PC do B para concorrer. Ou seja, mesmo sabendo que o Belezinha estava em Lages, constou que o mesmo teria ido para Paulo Frontin/PR. Isso não é má fé?”, questiona Marião.

Relatório contestado

Não poderia ser outro o resultado do relatório do vereador Jair Jr (PSD), na CPI do Natal Infelicidade. O relatório original do relator Lucas Neves (PP) foi rejeitado e um alternativo foi aprovado. Um dos nomes citados, o ex-secretário Flávio Agustini, que não estava citado no relatório original, contestou e desqualificou o relatório. Segundo o Flavinho ” na CPI , nunca se ouviu tanta mentira e será preciso esperar que o GAECO esclareça tudo isso”. O ex-secretário vai mais longe ao afirmar que : ” O vereador responsável pelo relatório acha que eu teria de ficar lá no barracão  registrando cada material que saía e entrava”.                                                   Como o relatório se transformou em um instrumento político, o resultado não poderia ser diferente do que o descrédito público.

Juntos na estrada

Pré- candidatos de seus partidos ao governo do estado , Gelson Merísio e Esperidião Amin voltaram a se encontrar , agora em Joinville. Acompanhados de deputado Estadual os dois cumprem agenda política juntos. A decisão sobre cabeça de chapa deve ficar para agosto.