Li gostei e repasso.

Post do Blog do colega jornalista Edson Varela. Li gostei e repasso :                                                                                                                                                                                                  Administração Ceron e Polese tem desgastes. Isso é inconteste. É um pouco lenta aqui, comunica-se mal ali e não corrige erros que embora, não sendo dos atuais gestores, pertencem àqueles que estiverem no Paço. Não é, portanto, uma administração que fuja da curva em relação a ações positivas e a falta delas, evidenciadas no noticiário negativo paroquiano. Entretanto, Ceron e seus comandados enfrentam outra realidade com a qual não se contava em gestões passadas: a oposição ferrenha daqueles que discordam do estilo do Gringo.

A oposição na Câmara, como já se via nos tempos de Elizeu, não existe. Jair Júnior, que é do PSD e se constitui no mais atento no combate, não faz oposição, ele marca posição. Maurício Batalha se elegeu pela oposição, mas não tem postura combativa que se espera de alguém eleito que está do outro lado do balcão. A máxima vale também para Bruno Hartmann, de um PSDB derrotado no pleito e também para a bancada do MDB que é de uma delicadeza enorme com o Paço.

E…

Por causa dessa oposição nutela, aqueles que estiveram grudados na gestão anterior, dando as caras ou no anonimato, têm direcionado a artilharia contra Ceron. É o eterno velório dos viúvos políticos insatisfeitos com a voz das urnas. Para tornar a situação mais provocativa aos desgarrados do Paço, Ceron resolveu fazer algo simples, mas difícil como prefeito: cumprir a lei. Pôs fim à era do jeitinho. Isso causa, naturalmente, desgaste, reclames e contestações.

A OPÇÃO DO GRINGO

Ao escalar um paredão na Procuradoria, comandada pelo não menos rígido Agnelo Miranda, tendo a atenção de outro competente, Airton Webber Xavier na Auditoria & Controle, além de um rigoroso Reno Camargo na Licitação e um ‘dispensa comentários’ na área técnica de Finanças e Administração, chamado Arruda, Ceron se cercou da segurança para concluir o mandato sem levar grandes lanhadas jurídicas de herança (uma ou outra é inevitável).

ASSIM

O Gringo se acautelou e acabou virando prato cheio aos inconformados. Desgasta, mas é melhor sofrer o ataque dos desmamados do pago do que comprometer patrimônio próprio – e Ceron tem isso – para pagar os pecados de gestão depois que deixar o Paço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *