Pimenta nos olhos…..

Sabe aquele ditado de que: ” pimenta nos olhos dos outros é colírio ? ” pois bem isto é o que pode-se dizer da situação do PSL em SC. O partido notificou esta semana os quatro deputados estaduais que seguem alinhados a Jair Bolsonaro e vêm questionando o governo Moisés da Silva no Parlamento Estadual. Na notificação extrajudicial os dirigentes do PSL alegam que os parlamentares estariam agindo em desacordo com o estatuto do partido.                                                                                                  Na contramão , o PSL levou para os seus quadros nesta semana, 14 prefeitos de outros partidos, inclusive 4 da região serrana. Não contente com isto, ontem o governador afirmou em Lages, que seu candidato a prefeito na próxima eleição , é o vereador Lucas Neves do partido do PP. Ou seja: ” faça o que eu digo mas não faça o que eu faço”.

Governador em Lages

Governador Moisés cumpriu hoje a terceira agenda em Lages. Visitou o novo calçadão e as obras de restauração do mercado municipal (convênio com o Governo Estadual).                                                                                                                                    A tarde no parque Orion liberou alguns recursos para a região e mais 2 milhões para as calçadas do centro.                                                                                        O Governador escapou duas vezes da manifestação dos soldados que pedem a reposição salarial.                                                                                                           Aproveitou mais uma vez para cutucar o ex-governador Raimundo Colombo.                                                                                                                                                Anunciou para 14 de agosto a nova ala do HMTR.

Cooptados

Foi realizado neste fim de semana, em São José, o encontro do governador Carlos Moisés  com os prefeitos que mudaram de partido e se filiaram ao PSL. São ao todo 15 dirigentes municipais a integrar o novo partido.                                                            O presidente estadual do PSD, deputado Milton Hobus, ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa nesta semana para acusar o governador Moisés da Silva de agir pela velha política, cooptando prefeitos municipais com promessas de recursos do Fundo Eleitoral, transferência de verbas, obras e serviços estaduais.

Confira a lista dos prefeitos que aderiram ao partido:

Luciano Buligon/ Chapecó – Claudete Mathias /Fraiburgo -Ondino de Medeiros/ Celso Ramos -Antônio Zilli/ Urubici – Genésio Bressiani/ Belmonte, Henrique Maciel/ Praia Grande , Edenilson da Costa/Jaguaruna – Adelmo Alberti/ Bela Vista do Toldo,  Nadir Baú da Silv/ Tangará , Daniel Netto Cândido/ São João Batista, Sérgio de Oliveira/ Bom Jardim da Serra , Pedro Barp/ Lauro Müller, Moisés Diersmann/ Luzerna , Valmor Kamers/ Major Gercino, Silvano de Paris/ Quilombo, Roque Meneghini/ Guaraciaba. Geovani/São Joaquim.

Na Assembléia

O primeiro dia de sessões ordinárias da Assembleia Legislativa mostrou um clima político desfavorável ao governo Moisés da Silva. Deputados da base do governo e até do mesmo partido do governador fizeram várias críticas à falta de iniciativa da atual administração, ao excesso de burocracia e até a falta de respeito de secretário com a representação parlamentar.                                                                                                                     O deputado Ivan Naatz, do Partido Liberal, manteve a linha oposicionista atacando a falta de iniciativa para problemas emergenciais do Estado.                                                                                                                                                                             Marcius Machado, deputado do PR, criticou a decisão da Secretaria da Saúde de retirar o tomógrafo instalado no Hospital e Maternidade Tereza Ramos de Lages, transferindo o equipamento para o Hospital Regional de São José. E revelou que até os leitos estavam sendo levados do Hospital, fato que não ocorreu por intervenção da deputada federal Carmem Zanotto, do Cidadania.

Ceron leu mensagem

Conforme que preconiza o artigo 94, inciso XIII, da Lei Orgânica do Município e cumprindo um compromisso assumido com o Poder Legislativo no ano de 2017, o prefeito Antonio Ceron esteve na Câmara de Vereadores, na noite desta terça-feira (4 de fevereiro). O chefe do Poder Executivo participou da segunda sessão legislativa do ano após retornar do período de férias.

O prefeito usou a tribuna do legislativo para ler sua mensagem e fez um relato das ações da Administração Municipal no ano de 2019. Iniciou dizendo que “chega ao último ano de mandato com a certeza de que muito fez pela cidade”.

Citou a situação econômica do município com o planejamento financeiro e o pagamento das dívidas a curto e longo prazo. “Já na Saúde em 2019 tivemos muitos desafios. A UPA 24 Horas está pronta e aberta à comunidade. Outro serviço é a pediatria que também está sendo atendida neste local. Para se ter uma ideia foram prestados cerca de 60 mil atendimentos/mês nas Unidades Básicas de Saúde de Lages. Em se tratando de procedimentos, já que um único paciente pode receber mais de um procedimento, chegamos aos 150 mil/mês, incluindo a UPA”, detalhou o prefeito.

Ceron destacou investimentos em todas as áreas como: Educação, Secretaria de Política para a Mulher, Agricultura e Pesca, Semasa, Desenvolvimento Econômico e Turismo, Cultura, Esporte, Assistência Social e Habitação, Defesa Civil, Serviços Públicos e Meio Ambiente e Planejamento e Obras. “Lages vive um momento muito promissor. A vinda da empresa Berneck irá incrementar nossa economia, além de gerar cerca de 700 empregos diretos. Isto representará mais renda para todos”, comentou.

No final de sua mensagem o prefeito Ceron agradeceu também a parceria e relação harmoniosa com todas as instituições, Poder Judiciário, Governo Federal e Estadual, entidades de classe e imprensa.

Na pressão

Nota oficial divulgada pela Secretaria da Administração informa que, nesta sexta-feira (31), o governo de Santa Catarina vai apresentar uma proposta de reestruturação salarial das categorias da Secretaria de Segurança Pública. Haverá uma reunião com os representantes das diversas entidades dos Policiais Militares, Civis e Bombeiros.                                                                                                             Isto depois de a diretoria da Associação dos Praças da Policia Militar (Aprasc) ter contabilizado a presença de mais de 2 mil policiais na assembleia geral realizada nontem na ACM e depois no protesto contra o governo Carlos Moisés da Silva no Centro Administrativo. Eles reivindicam reposição salarial de 37%, relativos as perdas dos últimos seis anos.

Bolsonaro manda recado

O novo partido, Aliança pelo Brasil não tem um líder definido no estado e os militantes da futura legenda do presidente Jair Bolsonaro devem focar na coleta de assinaturas para criação do partido. O recado direto – amplo, geral e irrestrito – foi dado pelo próprio Bolsonaro, em aúdio de 3min44seg que circula em grupos bolsonaristas no Whatsapp. No recado,  ele afirma aos militantes que é preciso “pegar os erros do passado e não cometê-los” e que “não pode, neste momento, querer ser o presidente, comandar o Estado ou região”. Eu não tenho ninguém indicado em cada Estado. Essas indicações por Estado vão passar por um grupo nosso para decidir. Se a pessoa tem mandato ou não, é outra história. Não obrigatoriamente precisa ter mandato. Quero uma pessoa que concilie, que leve o partido a sério.

Ainda o impeachment

Da deputada estadual Ana Campagnolo (PSL), sobre o pedido de impeachment do Governador do PSL:    ” Não é uma tese absurda. O pedido tem fundamento e o Defensor Público Dr. Ralf Zimmer (autor do pedido) tem uma reputação consolidada no meio jurídico catarinense. Por mais que eu não concorde com muitos de seus posicionamentos ideológicos, creio que deva ter se valido de seus reconhecidos atributos técnicos na escrita das 135 páginas do processo, e isso diz muito: é mais um cidadão proeminente a perceber, que por uma razão ou outra, Moisés precisa ser chutado para fora do governo. E, certamente, esse não será o primeiro nem o último a considerar um impedimento necessário contra o maior promotor de baladas agronômicas do Estado.”

Pedido de impeachment

 O pedido de impeachment do Governador Moisés apresentado pelo defensor público Ralf Zimmer tenta dar contornos políticos dramáticos ao velho esporte da elite do funcionalismo público: olhar o contracheque alheio em busca de possíveis equiparações. Zimmer – que apresentou o pedido de impeachment na condição de cidadão , embasa o pedido no controverso aumento salarial que equiparou o salário dos procuradores do Estado aos dos desembargadores, na casa dos R$ 35 mil.                                                                                                                                    A concessão do aumento – cerca de 5 mil a mais no contracheque  a toda a categoria e não apenas aos beneficiados pela ação no TJ-SC é o crime de responsabilidade apontado por Ralf Zimmer para cassar o governador.                                         Se Moisés enfrentasse uma crise de popularidade e a perda total da base de apoio parlamentar, o pedido de impeachment poderia ter alguma consequência ,  mas não por si só. Não há nas ruas um clima de rejeição ao governador. A base parlamentar não é das mais robustas, mas existe. Portanto dificilmente o pedido prospera na Assembléia.