Custo de ser candidato.

Colega Edson Varela, especialista em eleição municipal local, levanta o custo de quanto vai se gastar para começar a ter chances de se eleger prefeito em Lages:                  “Mas para se ter ideia do quanto tal valor oficial é também fictício, hoje não se consegue um bom marqueteiro e equipe de TV para fazer uma campanha razoável em Lages por menos de R$ 1,5 milhão. Da mesma forma, os gastos com material gráfico (santinhos, cartazes, panfletos) beiram a casa dos R$ 500 mil. E candidato que não tiver pelo menos R$ 1 milhão para gastar com os candidatos a vereador, vai perder esses cabos eleitorais de luxo pelo caminho. Ou seja, oficialmente são menos de R$ 700 mil. Extraoficialmente, com menos de R$ 3 milhões, quem entrar no jogo, periga não ir longe!”.   Resumindo: se você pensa em ser candidato e não tem no mínimo RS 3 milhões para colocar na campanha, pode ir tirando o cavalinho da chuva.

1 pensou em “Custo de ser candidato.

  1. Paulo Marques, já te disse isto mais de uma vez. Na atual circunstancia, o povo enojou destas campanhas caras, pois descobriu que não existe almoço de graça. Ninguem mais é otário em não saber que todo o dinheiro de campanha, existe por trás um rastro de corrupção. Todo o dinheiro gasto, ou é do candidato otário, ou é comprometimento em devolver em triplo para o investidor. Só candidato burro é que gasta o seu dinheiro em campanha, e isto vi muito pouco durante todo este tempo que milito na politica. Ja vi muito dinheiro emprestado para campanha ser devolvido. só que nunca foi do candidato que tomou emprestado. Toda campanha cara, com coligações com vários partidos, só tem um pagador: o contribuinte. Para pagar as coligações amplas que se formam, o vencedor paga para os partidos de aluguel, oferecendo Secretarias, Diretorias e muitos comissionados. Temos que acabar com esta história de que para ser candidato, tem que gastar verdadeiras fortunas. Acredito que isto foi criado pelos marqueteiros. Que se não contratar um bom e caro marqueteiro, não se ganha eleição. Para dizer para o povo, o que poderá ser feito pela cidade, não precisa de marqueteiro, principalmente se o candidato viver diariamente em contato com as pessoas e a realidade da cidade. Precisa então Paulo,que o candidato tenha acima de tudo credibilidade, tenha demonstrado durante sua vida pública que não utilizou se cargo para empregar parentes e cabos eleitorais,que seja verdadeiro e não minta para o povo. Tendo isto, ele não precisa pagar marqueteiro para mentir para o povo, criando imagem falsa do candidato. Alias, esta coisa de marqueteiro, não tem dado muito certo no Brasil. Ou as Promotorias estão pegando quando é pago com dinheiro sujo, ou quando para pagar a campanha, o marqueteiro arranja para sua Empresa de Publicidade continue prestando serviço para aquele que o contratou para fazer a sua campanha. O povo já viu esta realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.