Do financiamento de campanhas.

Para relembrar e não cair no esquecimento

Para relembrar e não cair no esquecimento

Até um passado recente, quem quisesse fazer doação de campanha, bastava depositar o valor na conta de campanha do candidato. Mais recentemente, incluindo as duas últimas eleições, a de prefeito e governador, a legislação eleitoral mudou, criando normas bem mais rígidas na hora de se fazer a doação. Para doar, o doador particular deve comprovar que tem este recurso, e para empresas, estas devem mostrar o balanço econômico. Doar para campanha política, seja particular ou empresa não é crime. Para a eleição deste ano, a regra é mais rigorosa ainda. É lógico que tanto quem doou e o candidato que recebeu, devem declarar estes valores perante a Justiça Eleitoral. Se recebeu e não declarou, aí passa a ser crime eleitoral.  E isto ainda vai acontecer até o momento em que houver o financiamento público de campanha. Portanto querer comparar as doações de campanha, feitas pela empresa Odebrecht, agora reveladas, com o que aconteceu em Lages quando um agente público foi preso com um sacola de dinheiro, desviado de uma empreiteira que prestava serviços para a prefeitura, é tentar justificar o injustificável. É ser parcial demais…..

4 pensou em “Do financiamento de campanhas.

  1. Paulo mas quem disse que foi doação? O próprio Ceron disse não ter recebido nada. Não seria desvio de uma empreiteira também? Quem está sendo parcial?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.