Imprensa lageana esqueceu….

Como parece que a imprensa lageana  “esqueceu”do andamento da Operação Águas Limpas, do Gaeco, vou esperar a coluna do Prof. Ari Martendal amanhã no O Momento, trago, para refrescar a memória um artigo que recebi.                                                                                                            

NO PAÍS DO FAZ-DE-CONTA

Era uma vez…

A história poderia começar assim, diante das circunstâncias. Um Presidente inaugurou a mais simples e eficaz defesa criminal: nada vi, não era comigo, não sei de nada. E isso agora é usado, mesmo que o crime, espalhafatoso, tenha ocorrido na sala ao lado do suspeito. Aqui, no caso levantado há pouco pelo GAECO, essa linha de defesa vem sendo adotada. Mas tem uma coisinha no mínimo intrigante nesses últimos acontecimentos. Há pouco mais de um mês a Câmara discutia um projeto de lei enviado (por quem? por quem?…) pelo Prefeito. Nunca tinha visto tanto empenho da bancada de apoio ao Prefeito em defender um projeto. Parecia a defesa do último baluarte do império. O projeto tem, na prática, só um artigo que repete, em sua quase totalidade, o que diz a Lei Federal 8.666/93, a tal Lei das Licitações, em relação ao impedimento de participação de empresas em processos licitatórios.

E o que tem de inovação no inocente projeto? Ele apenas faz retroagir a dois anos a proibição de participação de empresas, que incidirem nas causas de impedimento previstas na lei federal, além daquelas condenadas em processos administrativos perante a Auditoria Geral do Município e Controle Interno. Portanto, a inovação, mesmo, é os dois anos de prazo retroativo.A bancada governista impediu, já na comissão de constituição e justiça, que a oposição retirasse a questão do prazo retroativo. Isso apesar de a assessoria jurídica da Câmara ter se manifestado favorável a essa retirada… Havia uma indisfarçável para se aprovar a matéria.No dia 23 de outubro, o Prefeito sancionou a lei, que recebeu o número 4.068.

Fecha o pano.

Paralelamente, havia em curso, numa das salas embaixo do gabinete do Prefeito, um processo de licitação. Aliás, não era um processo qualquer. Era simplesmente o maior processo licitatório da história de Lages. Dos 248 anos da história de Lages. A empresa que vencesse o processo de licitação iria assumir a Semasa por duas décadas, envolvendo a quantia mixuruca de R$ 82.000.000,00 (isso mesmo: oitenta e dois milhões de reais), ou seja, R$ 20.000.000,00 a mais que o custo das vias marginais da BR-282, até então o maior projeto do Município de Lages. E o que a tal leizinha nº 4.068 tem a ver com isso?

A julgar a alegação de que o motorista nada tem a ver com o Prefeito, e vice-versa, a tal lei nada tem a ver com a tal licitação. Nada? Bem, a tal lei apenas possibilitou que fosse considerada inabilitada a única empresa que apresentou proposta na licitação da Semasa. Só isso? Levando em conta as consequências de um fato para outro, a inabilitação da empresa possibilitou que a licitação fosse considerada deserta, e isso viabilizou que uma tal de VIAPLAN continuasse gerindo a questão Semasa. Por pura casualidade, 21 dias depois da vigência da tal lei, um certo motorista foi preso em flagrante com dois dirigentes de uma empresa (que empresa? hein? hein?…). Isso mesmo: da Viaplan. E apenas um dia antes da abertura das propostas para a Semasa…

Mas tudo isso é pura coincidência… O grande culpado, mesmo, é o GAECO, que parece ter estragado a festa. Aliás, esta história que o Gaeco está investigando poderia começar a ser contada assim: “mamãe subiu no telhado…”

Publicado em Política por admin. Marque Link Permanente.

Sobre admin

Paulo Marques é formado em Administração de Empresas pela FAE/PR e em Direito pela UNIPLAC. No jornalismo, atua desde os anos 90, com passagens pelas rádios Clube, UDESC FM e 101 FM. Na televisão, passou pelas tvs SCC, Tele Câmara, TV Univest e Nova Era TV. Escreveu para vários jornais de Lages e de Curitiba/PR.

2 pensou em “Imprensa lageana esqueceu….

  1. Tem que acabar com esse negócio de prefeito estar fazendo licitação além do período de seu mandato, simples.
    De quem entende de corrupção:
    “Se os afilhados amealharam essa baba, imagine quanto não levaram seus padrinhos, uma vez que o mercado da propina costuma pagar 40% pra quem corre o risco e 60% pra quem indica? ” Roberto Jefferson
    http://www.blogdojefferson.com/index.aspx

    Vinte anos a bolada seria……; Nero, Pilatos e demais ficaram na saudade; será que só o Judas vai pagar o pato; não vai ter compras em New York de final de ano; tem madame….p…..
    Já dizia Maluff, o dinheiro não é meu, com razão é roubado do povo na cara dura.

  2. Não caro Pablito. A imprensa não esqueceu. Pelo contrário, anda afoita à espera de informações oficiais. Apenas isso. De resto há vários comentários, sobre a questão, caso das CPIs, por exemplo. Aguardemos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.