Indústria da multa.

Fórum das entidades faz reunião para discutir mobilidade no trânsito. Na reunião foram levantadas algumas questões como a proliferação irregular de lombadas físicas, a necessidade de uma política de humanização do trânsito e o porquê do limite da velocidade das lombadas eletrônicas ser 40Km/h e não 60Km/h, algo que na visão dos empresários destravaria mais o fluxo da cidade, que conta hoje com 102 mil veículos registrados.

Os empresários questionaram, também, se as lombadas não seriam um pretexto de arrecadação de multas. A Diretran rebateu

Empresários preocupados com multas

Empresários preocupados com multas

dizendo que o custo mensal para mantê-las na cidade é de 274 mil reais. Segundo eles, a arrecadação total gira em torno de 440 mil reais por mês, deste valor 5% vai para o Centro de Informática e Automação de SC (CIASC), 15% para a Polícia Militar e 15% para a Polícia Civil e o Diretran fica com 70%, o que, segundo eles, não representa um valor significativo.

 

1 pensou em “Indústria da multa.

  1. Se o objetivo real é diminuir o risco de acidente, que se faça lombadas físicas, porém dentro dos padrões de mobilidade e não rampas que necessite de manobra. Outra situação é o excesso de faixas de “segurança”. Existem faixas com distância de 10 metros entre elas e também 20m de semáforos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.