Saúde na Justiça

” Essa CPI nada tem a ver com o conteúdo das mensagens de rede social divulgadas em janeiro, que inclusive falava ‘umas verdades’ sobre os vereadores. O conteúdo de tais mensagens não podem servir de referência para qualquer investigação porque se constituem ‘provas podres’. É que não houve autorização judicial prévia para acessar tais mensagens sendo que aqueles que tiveram o nome exposto podem inclusive, se quiserem, buscar reparação pela divulgação ocorrida.” Colega jornalista Edson Varela em seu blog diário. Mas a verdade é que os servidores da saúde que tiveram suas conversas divulgadas na rádio e em blog, já procuraram uma advogada, e estão buscando na Justiça reparo por este ato ilegal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.