Votação eletrônica.

Deu no blog : Cientista política Almir Quites vem mantendo um blog dedicado exclusivamente à questão das urnas eletrônicas no país. Ele já reuniu vastíssimo material e crava que o sistema é altamente frágil, passível de fraude generalizada, inconstitucional e antidemocrático, por não permitir apuração paralela, somente “totalização paralela”.
Para Quites, a urna deveria ser chamada pelo que é: um computador, que obedece aos comandos de um sistema. “Este sistema é confiável?” questiona ele, lembrando que elas não são simples e inocentes caixas registradoras.

Publicado em Política por admin. Marque Link Permanente.

Sobre admin

Paulo Marques é formado em Administração de Empresas pela FAE/PR e em Direito pela UNIPLAC. No jornalismo, atua desde os anos 90, com passagens pelas rádios Clube, UDESC FM e 101 FM. Na televisão, passou pelas tvs SCC, Tele Câmara, TV Univest e Nova Era TV. Escreveu para vários jornais de Lages e de Curitiba/PR.

1 pensou em “Votação eletrônica.

  1. Sou leigo no assunto, mas também desconfio do sistema, é muito frágil,muito fácil de ser fraudado. Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.