Partidos novos.

Jornal Correio Lageano de hoje faz uma análise sobre a situação política dos vereadores de Lages, aqueles que se elegeram e mudaram de partido e de posição política. Já o jornalista Sérgio da Costa Ramos, lageano radicado em Floripa, em sua coluna de hoje no DC, escreve sobre Partidos Novos, e aproveito e transcrevo algumas partes da crônica. 

notícia de que os novos partidos, PROS e Solidariedade, já somam uma gorda bancada de quase 100 deputados é aberração digna de um país que “honra”o diagnóstico do general De Gaulle: não é sério.

Assim são os estatutos e os mandatos eletivos no Brasil. O sujeito se elege e depois dá uma banana para quem o elegeu. Funda um partido novo e leva junto o mandato….. Ora, não há quem não conheça a fórmula capaz de erradicar o mensalão e sua despudorada freguesia: basta que o Congresso se autodiscipline com a camisa de força da fidelidade partidária. Mas ali quem quer ser “fiel”?

Os novos partidos chegam para manter a aventura e o “comércio” funcionando neste assombrado mercado habitado por seres de altíssima avidez e baixíssima credibilidade.

A única ideia a presidir a fundação de um partido brasileiro é o interesse pessoal, na base do “sou candidato a tudo, desde que não me comprometa com nada”. A não ser, é claro, com as sobras de campanha, que, como todo mundo sabe, são o melhor da festa. (Sérgio da Costa Ramos).

Em Lages os vereadores Felício, Elói, pastor Mendes e Adilson Apolinário foram para o novo partido o PROS.

Publicado em Política por admin. Marque Link Permanente.

Sobre admin

Paulo Marques é formado em Administração de Empresas pela FAE/PR e em Direito pela UNIPLAC. No jornalismo, atua desde os anos 90, com passagens pelas rádios Clube, UDESC FM e 101 FM. Na televisão, passou pelas tvs SCC, Tele Câmara, TV Univest e Nova Era TV. Escreveu para vários jornais de Lages e de Curitiba/PR.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.